Max Andrade e Dani Bolinho

MESA 38

Max Andrade:

Autor de quadrinhos desde 2008, Max já desenhou mais de 1000 páginas e participou de mais de 20 publicações no Brasil e Japão. Ganhou o concurso nacional de mangá "Seja o Novo!" da revista Ação Magazine com a obra "PRÉ - O Drama da Escolinha"; também ganhou o HQMix de Melhor Publicação Independente Edição Única em 2017 com "The HYPE" e diversos prêmios no concurso internacional de mangás Silent Manga Audition. É autor de diversos one-shots, como "Múltipla Escolha", "Erro de Cálculo" (os dois em parceria com Marcel Ibaldo), "Lend a Hand", "Our Relation", "You First" e muitos outros. Em 2018, encerra a série "Tools Challenge", lançando os Vols. 5 e 6 de uma vez e consolidando a série como a segunda maior da história do mangá no Brasil em número de páginas, logo atrás de "Holy Avenger" e uma das maiores séries de um único autor da história do quadrinho nacional.

 

Dani Bolinho:

Desenhista desde que conseguiu pegar um lápis, Dani passou a encarar a arte como profissão desde 2014. Trabalha com criação de personagens e histórias em quadrinhos com uma puxada para o mangá - isso enquanto persegue um estilo próprio. Participou do desenvolvimento dos personagens do jogo Lenin The Lion, que foi bem sucedido no Catarse e ganhou o prêmio "Melhor Jogo de Questões Sociais" no maior evento de jogos independentes da América Latina, o BIG Festival 2018. Sua primeira HQ autoral, Lobo Mau, foi lançada em 2017. Este ano, além de ser um dos fundadores do grupo IndieVisivel, já preparou o segundo volume de Lobo Mau e um artbook, o Cupcake Works.

Douglas Deri e Marina Nogueira

MESA 39

Douglas Deri é Ilustrador, concept artist e storyboarder. Com trabalhos publicados em jogos de TCG, animações, revistas e publicidade. Veja mais de seu trabalho em douglasderi.artstation.com

Marina tem 22 anos e está trabalhando como ilustradora de livros didáticos pra Nave à Vela depois de uma longa jornada de 4 anos de faculdade - artes na Unesp, e outros 4 cursos na quanta.

Apesar da correria e da jornada épica diária pelo transporte público de São Paulo, ela sempre separa um tempinho para criar um pouquinho do seu próprio universo e desenhar um monte gigantesco de fanarts.